fonte: http://www.decisionreport.com.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=7215&sid=2

A Polícia Civil do estado de Minas Gerais adotou, em parceria com a Tecnoworld, a plataforma thin computing. O início da implementação dos 700 thin clients, modelo Winlight 2, nas delegacias teve inicio em 2008 com previsão de término para o final desse ano.
A mudança dos desktops convencionais para os terminais magros foi motivada principalmente pela migração do Boletim de Ocorrência (BO) no papel para o meio eletrônico.

“O BO que fazíamos na delegacia era guardado em pastas e perdíamos muito tempo para resgatar esse documento, sem contar com as pilhas de papéis arquivadas nos departamentos, o que ocupava muito espaço”, afirma Claudio Soares, Investigador da Polícia III e especialista em Gestão de Redes com Software Livre.
Com o projeto de integração do Registro Evento de Defesa Social (REDS, a substituição do BO para o meio online), que incorpora as unidades do Corpo de Bombeiro e das Polícias Civil e Militar, houve a necessidade de implementar uma plataforma web que integrasse o mesmo registro de ocorrência.
“Devido a essa integração das 3 corporações, necessitávamos de um serviço de inteligência para aumentar nossa eficiência, como por exemplo, prevenir os incidentes e obter mais precisão no monitoramento das zonas com maior índice de criminalidade. Isso aumenta o poder de gerenciamento e conseguimos colocar nas ruas as equipes de ronda nos lugares que mais necessitam”.
Processo de implementação
Toda a grande Belo Horizonte e mais 9 regiões já estão com o thin clients em operação, restando em torno de 150 unidades distribuídas nas regiões da Barbacena, Ipatinga, Teófilo Otoni, Pouso Alegre e Poços de Caldas para implementar.
“Temos pelo menos 2 terminais magros instalados em cada delegacia que já passaram pelo processo de implementação. A previsão é que no inicio de 2011 façamos uma revisão geral de funcionamento, monitoramento e atualização das máquinas”.

Outro setor a ser inserido no projeto é o administrativo. “Por enquanto, somente o departamento de operações usa os terminais magros, mas estamos elaborando um projeto para expandir também para os setores internos das delegacias do estado mineiro”, aponta Soares.

Inteligência ampliada

Após a implementação, Soares afirma que um dos pontos positivos do thin client é a economia de energia, a manutenção simplificada e um maior controle nas impressões, que agora são destinadas apenas para imprimir as ocorrências registradas pelos cidadãos.

“Nossa equipe é pequena, temos 4 policiais para fazer a manutenção em todo o estado, perdíamos muito tempo com isso. Hoje é tudo centralizado, se houver algum problema em qualquer unidade, eu consigo acessar o equipamento e arrumo o que está errado sem precisar deslocar nenhuma equipe para o local”.

Soares afirma ainda que o setor de inteligência da delegacia ganhou mais precisão analítica nas atuações criminais registradas. “Eu posso fazer uma pesquisa sobre furto de carro, por exemplo, e o sistema me traz todo o histórico desse tipo de incidente em determinada região. Nosso banco de dados está mais organizado, o que facilita nossa ação e prestação de serviço”, finaliza.

Compartilhar: