por: http://jn.sapo.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?Distrito=Aveiro&Concelho=Aveiro&Option=Interior&content_id=1609846

A escola EB2,3 de Aradas, em Aveiro, é pioneira na instalação da tecnologia Thin Client que permite uma poupança em gastos energéticos e em licenças para os computadores. O segredo consiste apenas numa máquina ligada a um servidor interno.
Depois de ter sido a primeira escola a instalar um software para gestão integrada, contribuindo para uma melhor gestão pedagógica e administrativa, eliminando a circulação de dinheiro, através de um cartão personalizado, a EB2,3 de Aradas, Aveiro, volta a destacar-se. Desta feita, por causa de uma tecnologia, o Thin Client, que permite poupança energética acima da média. 
Pode parecer estranho, mas é simples. O equipamento, uma caixa parecida com um modem, é ligado ao monitor e substituiu o tradicional CPU (Unidade Central de Processamento). Como está ligado a um servidor universal, evita a aquisição de licenças de utilização para todos os computadores, basta uma.
“Estes equipamentos têm quase as mesmas funções que um computador normal. A única diferença é que podem não ser tão potentes, mas em contrapartida permitem poupar dinheiro em licenças e manutenção”, explicou José Marta, vice-presidente do Agrupamento de Escolas.
Mas há também poupança energética. “Um computador normal gasta, em média, por hora, 250 watts, enquanto que os Thin Client não gastam mais do que cinco”, esclareceu o professor, acrescentando que “numa sala com 30 computadores, poupa-se mais de 6000  watts/hora”.
Os Thin Client, tecnologia utilizada há cerca de um ano e meio na EB2,3 de Aradas, “Não obriga à manutenção como os outros computadores, pois quando há um problema, troca-se o equipamento e volta-se a ter computador para utilizar”, afiançou Paulo Abreu, director do agrupamento. Uma outra mais-valia prende-se com a poupança “em ar condicionado”. Neste momento a EB2,3 de Aradas tem apenas 15 equipamentos Thin Client, num universo que ronda os 80 computadores. “Temos os equipamentos nas salas de informática e na biblioteca, não os podemos deitar fora”, disse o director, garantindo que “o objectivo é, no futuro, termos apenas este sistema e com ele conseguir contribuir para uma poupança.
Compartilhar: